RSS

Arquivo diário: 11 de maio de 2010

HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young – Trio N°2 – 10’LP MGC-135 (1946)

O desenvolvimento do saxofone tenor no jazz teve como primeiro mestre Coleman Hawkins, o pai do saxofone, como era chamado, porém foi Lester Young o mais influente músico neste instrumento. Sua sonoridade macia, seu toque relaxado, contrastava com o estilo praticado até então. Lester fez o saxofone deixar de soar de maneira hot, e foi o precursor do estilo cool no jazz. Nascido em uma família de músicos em Woodville, Mississippi, em 27 de Agosto de 1909, e ainda jovem tendo ido viver em New Orleans, Luisiana, desde muito cedo esteve em contato com mundo da música, tocando bateria na banda de seu pai, nas barcas que subiam o rio Mississipi. Abandonou a bateria quando percebeu o inconveniente causado nas relaçoes com o sexo feminino, desmontar e embalar o instrumento o impossibilitava de acompanhar as moças que se interessavam pelos músicos. Passou a bateria para seu irmão, Lee Young, e mudou para o sax alto. Neste instrumento ingressou na banda de Art Bronson, depois mudou para o sax tenor e tocou com o pioneiro King Oliver. Uma temporada breve com Count Basie, músico oriundo de Kansas City, onde Lester se estabeleceu, antecipou sua conturbada estada na banda de Fletcher Henderson, onde por substituir ninguem menos do que Coleman Hawkins, foi cobrado em executar um estilo que fosse semelhante, áspero e agressivo. Impossível para Lester, abandonou o grupo e se juntou a banda de Any Kirk, antes de retornar ao grupo de Basie em 36 e gravar faixas em que se tornaria uma referência obrigatória em uma nova maneira de se exprimir no sax tenor. Foi neste combo que Lester conheceria aquela que foi sua maior amiga, confidente e íntima, numa relação que durou por toda sua vida, Billie Holiday. Billie deu a Lester o apelido que passaria a ser sua marca, Pres, uma abreviatura para Presidente. Ao lado de Billie gravou solos antológicos para a história do jazz e atribuiu à ela o apelido de Lady Day. Foram como amigos, irmãos, apaixonados um pelo outro, e atravessaram juntos os difíceis caminhos das drogas e da dificuldade em ser negro em um país regido por leis segregacionistas.

 

A gravação que tratamos aqui foi realizada em 1946, em Hollywood, em uma produção de Norman Granz para seu selo Clef. Lester está acompanhado pelo baterista Buddy Rich e pelo pianista Nat King Cole, que por razões contratuais aparece sob o pseudônimo de Aye Guy. Interpretam quatro standards, com a curiosidade de que em Peg O’ My Heart, eles atuam em duo de saxofone e piano, em virtude de Buddy Rich ter sido acometido por uma súbita e inexplicável fome, que o fez se ausentar do estúdio e buscar alimento. A gravação The Man I Love tornou-se um clássico na discografia de Lester, seu discurso é primoroso e ainda hoje atual. Nat King Cole toca com paixão incontida, em uma atmosfera diversa da que costumava ter com seu fabuloso trio. Enfim são quatro faixas que entraram para posteridade, e de quebra, você ainda vai poder matar as saudades dos chiados e estalos peculiares a um velho 10 polegadas. As faixas foram extraídas de um exemplar original.

 

Lester Young (ts) Nat “King” Cole (p) Buddy Rich (d)
Radio Recorders, Hollywood, CA, March-April, 1946

 

1- I Want to Be Happy
2- Peg o’ My Heart
3- Mean to Me
4- The Man I Love