RSS

HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young – Trio N°2 – 10’LP MGC-135 (1946)

11 maio

O desenvolvimento do saxofone tenor no jazz teve como primeiro mestre Coleman Hawkins, o pai do saxofone, como era chamado, porém foi Lester Young o mais influente músico neste instrumento. Sua sonoridade macia, seu toque relaxado, contrastava com o estilo praticado até então. Lester fez o saxofone deixar de soar de maneira hot, e foi o precursor do estilo cool no jazz. Nascido em uma família de músicos em Woodville, Mississippi, em 27 de Agosto de 1909, e ainda jovem tendo ido viver em New Orleans, Luisiana, desde muito cedo esteve em contato com mundo da música, tocando bateria na banda de seu pai, nas barcas que subiam o rio Mississipi. Abandonou a bateria quando percebeu o inconveniente causado nas relaçoes com o sexo feminino, desmontar e embalar o instrumento o impossibilitava de acompanhar as moças que se interessavam pelos músicos. Passou a bateria para seu irmão, Lee Young, e mudou para o sax alto. Neste instrumento ingressou na banda de Art Bronson, depois mudou para o sax tenor e tocou com o pioneiro King Oliver. Uma temporada breve com Count Basie, músico oriundo de Kansas City, onde Lester se estabeleceu, antecipou sua conturbada estada na banda de Fletcher Henderson, onde por substituir ninguem menos do que Coleman Hawkins, foi cobrado em executar um estilo que fosse semelhante, áspero e agressivo. Impossível para Lester, abandonou o grupo e se juntou a banda de Any Kirk, antes de retornar ao grupo de Basie em 36 e gravar faixas em que se tornaria uma referência obrigatória em uma nova maneira de se exprimir no sax tenor. Foi neste combo que Lester conheceria aquela que foi sua maior amiga, confidente e íntima, numa relação que durou por toda sua vida, Billie Holiday. Billie deu a Lester o apelido que passaria a ser sua marca, Pres, uma abreviatura para Presidente. Ao lado de Billie gravou solos antológicos para a história do jazz e atribuiu à ela o apelido de Lady Day. Foram como amigos, irmãos, apaixonados um pelo outro, e atravessaram juntos os difíceis caminhos das drogas e da dificuldade em ser negro em um país regido por leis segregacionistas.

 

A gravação que tratamos aqui foi realizada em 1946, em Hollywood, em uma produção de Norman Granz para seu selo Clef. Lester está acompanhado pelo baterista Buddy Rich e pelo pianista Nat King Cole, que por razões contratuais aparece sob o pseudônimo de Aye Guy. Interpretam quatro standards, com a curiosidade de que em Peg O’ My Heart, eles atuam em duo de saxofone e piano, em virtude de Buddy Rich ter sido acometido por uma súbita e inexplicável fome, que o fez se ausentar do estúdio e buscar alimento. A gravação The Man I Love tornou-se um clássico na discografia de Lester, seu discurso é primoroso e ainda hoje atual. Nat King Cole toca com paixão incontida, em uma atmosfera diversa da que costumava ter com seu fabuloso trio. Enfim são quatro faixas que entraram para posteridade, e de quebra, você ainda vai poder matar as saudades dos chiados e estalos peculiares a um velho 10 polegadas. As faixas foram extraídas de um exemplar original.

 

Lester Young (ts) Nat “King” Cole (p) Buddy Rich (d)
Radio Recorders, Hollywood, CA, March-April, 1946

 

1- I Want to Be Happy
2- Peg o’ My Heart
3- Mean to Me
4- The Man I Love
 

9 Respostas para “HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young – Trio N°2 – 10’LP MGC-135 (1946)

  1. Anonymous

    11 de maio de 2010 at 9:58 PM

     
  2. SUSIE HERVATIN

    11 de maio de 2010 at 11:09 PM

    Não posso deixar de comentar..Simplesmente nos transporta à outradimensão…isso que é um som mágico.Sem falar da capa 🙂 più bella!Amei!bacio

     
  3. HotBeatJazz

    11 de maio de 2010 at 11:31 PM

    Susie,o sax de Lester é magia pura mesmo. A capa, eu já imagina que vc iria gostar muito.Beijos e obrigado pela visita

     
  4. Sergio

    13 de maio de 2010 at 1:17 PM

    Meu amigaço, Mauro: os e-mailpapos se desnvolvem e se multiplicam. Muito bom te conhecer.Quanto ao seu Bailey pedido aí vai o link do álbum.http://www.4shared.com/file/7XJkwhqX/dexter_gordon__benny_bailey_qu.htmlAlém de ter uma certa cisma com o Pando, mandar o álbum aqui faz com que mais gente a ele tenha acesso. E, não se engane – já sabendo que não estás enganado quanto a isso: não há outra maneira de dar o verdadeiro conhecimento de um artista, do que liberando "na geral" parte da obra. Por mais bonitas e complementares sejam as palavras a respeito deste ou daquele artista, palavras dirão sempre pouco. E esse papo de ficar só no papo pra quem conhece ficar suspirando, e a tendência de fazer uma rede de elitistas suspiradores fechadinha em si mesma, para poucos privilegiados, não diz muita coisa. Ou melhor não abre o leque. Porque estou dizendo todas essas bobagens? Nem sei, deu vontade. Ou então complementam alguns papos nossos via mail, que talvez digam respeito a mais gente.Tenho q completar a tese dizendo: não é o caso aqui CLARO diminuir o trabalho quase perfeito de mr. Érico e/ou John Lester que não postam álbuns, apenas contam as histórias – sempre muito bem contadas por sinal. Mas é o caso deixar bem claro que é tão importante quanto, disponibilizar álbuns. Já que alguns tendem pensar que os que disponibilizam o fazem para barganhar adesão e respaldo. E esse pensamento é um erro DESTE TAMANHO!Abraços!

     
  5. HotBeatJazz

    13 de maio de 2010 at 6:09 PM

    Sérgio,começo agradecendo o envio deste link que da acesso ao álbumDexter Gordon/Benny Bailey – Round Midnight (SteepleChase SCCD 31290)http://www.4shared.com/file/7XJkwhqX/dexter_gordon__benny_bailey_qu.htmlBenny Bailey (tp) Dexter Gordon (ts) Lars Sjosten (p) Torbjorn Hultcrantz (b) Jual Curtis (d) live in Sweden, November, 1974Blue 'N' Boogie What's New? Stella By Starlight 'Round About Midnight Neptunus Este é um álbum muito importante na discografia do Dexter, e esta noite de jazz gravada ao vivo na Suécia geraram mais 2 discos da SteepleChase:- Revelation (SteepleChase SCCD 31373) – The Rainbow People (SteepleChase SCCD 31521) Quanto a tuas considerações e divagações, elas nunca são bobagens, somente revelam tua maneira de pensar libertadora e abrangente. Todos nós, blogueiros, disponibilizadores ou não, trabalhamos no mesmo intuito, o de que mais pessoas possam ter acesso a informação e cultura. Esta é a meta, os caminhos são vários, e ainda bem.Sinta-se sempre a vontade para compartilhar todo e qualquer material que achar pertinente ou necessário. Você sabe, esta casa é de todos!Aproveito para também disponibilizar o outro link que você me enviou por email:http://www.4shared.com/file/qWZUWsdQ/Dexter_Gordon__Sophisticated_G.htmluma super banda como pode ser notada na ficha técnica abaixo:Dexter Gordon – Sophisticated Giant (Columbia JC 34989)Benny Bailey, Woody Shaw (tp, flh) Slide Hampton (tp, arr) Wayne Andre (tb) Frank Wess (as, fl, picc) Dexter Gordon (ts, ss) Howard Johnson (bars, tu) Bobby Hutcherson (vib) George Cables (p) Rufus Reid (b) Victor Lewis (d) NYC, June 21 & 22, 1977 Laura The Moontrane Red Top Fried Bananas You're Blase How Insensitive Sérgio, mais uma vez agradeço tua atenção e presteza, este álbum do quinteto Gordon/Bailey eu já procurava a tempos, mais uma grande atuação destes dois maravilhosos músicos, coisa finíssima!

     
  6. Sergio

    13 de maio de 2010 at 11:46 PM

    Isso aí Mauro. Precisando e eu tendo é só solicitar e eu tenho a mais absoluta certeza q a vice versa com a mesma intensidade em sentido contrário como Newton ensinou.Bração!

     
  7. Érico Cordeiro

    14 de maio de 2010 at 10:50 PM

    Tô me sentindo um excluído – É só Mauro prá cá, Sérgio prá lá…Vou fundar o MBSD – Movimento dos Blogs Sem Disponibilização. Brincadeiras à parte, é muito bom poder dividir a blogsfera com vocês – espero que o encontro pro chopp possa rolar em breve!E é só coisa fina que rola aqui – desses só tenho o Sophisticated Giant, fabuloso!!!!Quanto ao Pres – o que dizer? Só espero que eu, quando aprender a tocar o meu sax alto, possua 1/100000000000000000000000000000000 do talento do cara no tenor!Abração!!!!

     
  8. HotBeatJazz

    15 de maio de 2010 at 2:24 PM

    Seu Érico,não se faça de tadinho, o senhor é da irmandade tambem. E esse movimento aí não lhe cabe, pois vc já faz parte do MDBB (Mov Dos Blogs Bacanudos).Com relação a seu talento musical, só tenho a dizer que, mesmo este infinitezimal por vc desejado já é muiiiiiita coisa. kkkkkkkAbração amigo

     
  9. Terry

    23 de julho de 2010 at 2:57 AM

    The recent Lester was so good I thought I'd grab this too. Thanks.

     

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: