RSS

Arquivo da categoria: Craig Handy

Mingus Dynasty – The Next Generation (1991)

Logo após a morte de Charles Mingus, em 5 de janeiro de 1979 na cidade mexicana de Cuernavaca, a esposa, Susan, organizou a Mingus Dynasty, um grupo formado por antigos colaboradores de Charles, com o intuito de manter vivo seu espírito e suas composições. Já em 1980 o grupo fazia turnes pelo mundo, tendo inclusive se apresentado no 2° Festival de Jazz de São Paulo e no afamado Montreux Jazz Festival. Em 1991 o grupo sofreu a maior transformação em sua formação até então, com a permanência de somente dois antigos colaboradores diretos de Mingus, o trompetista Jack Walrath e o veterano saxofonista George Adams. Uma nova leva de jovens músicos, que despontaram no universo jazz na década de 80, foram convidados a dar suas contribuições para a música da Mingus Dynasty. Desta forma foram incorporados o contrabaixista Ray Drummond, o baterista Marvin “Smitty” Smith, o veterano pianista John Hicks e os saxofonistas Craig Handy e Alex Foster.
A faixa de abertura, “Sketch Four”, foi composta por Mingus no último ano de vida, quando ele já não conseguia compor ao piano em virtude da isquemia múltipla que o acometeu. Nesse período foi costumeiro Mingus cantarolar a melodia em um gravador magnético, e é assim que se inicia o tema, Mingus acompanhado por um metrônomo com a Mingus Dynasty surgindo a seguir. “Portrait”, “Opus Three” e “Opus Four” foram compostas na década de 50 e gravadas no álbum “Mingus Moves” de 1973. “Harlene” foi outra composição feita por Mingus em gravador, a última criada por ele desta forma, e idealizada para a trilha de um filme sobre Jack Kerouac. Mingus começou a escrever “Farewell Farwell” no início de 1960 e a gravou em seu último álbum em 1978. “Wham Bam” que é outra composição dos anos 50 e “Noon Night”, que foi um dos 19 movimentos de “Epitaph”, traz um belo solo de George Adams e foi originalmente gravada em 1957. “Bad Cops” tem a narração retirada da autobiografia de Mingus “Beneath the underdog” e traz o pianista Benny Green em sua única participação no álbum. “Pilobolus” foi escrita em 1978 para um grupo de dança homônimo e tem a participação especial do veterano baterista Victor Lewis.
Charles Mingus expressou sua personalidade através de sua música e a Mingus Dynasty continua a faze-lo de forma magistral.
Jack Walrath (tp); Craig Handy (ts, fl); George Adams (ts); Alex Foster (ts, ss); John Hicks (p); Ray Drummond (b), Marvin “Smitty” Smith (d); Benny Green (p)*; Victor Lewis (d)**; Eric Mingus (vo)*
1- Sketch Four
2- Portrait
3- Opus Four
4- Harlene
5- Opus Three
6- Farewell Farwell
7- Wham Bam
8- Noon Night
9- Bad Cops*
10- Pilobolus**

http://ouo.io/U3fk5g

 Hot Beat Jazz

 

Michel Camilo – One More Once (1994)

Foi no blog CB Latin Jazz Corner, do amigo Carlos Braga, que encontrei esse “ouro em pó”, como CB costuma se referir aos álbuns de grande qualidade que posta com frequencia maior do que o nascer do sol. Um dos poucos trabalhos do pianista dominicano Michel Camilo que eu ainda não tinha tido o privilégio de ouvir, One More Once não é só mais um disco de Camilo. É uma overdose de músicos de primeira grandeza do jazz e latin jazz. Camilo faz uma releitura de composições suas, muitas das quais já havia gravado em álbuns de seu trio habitual e em trabalhos de luminares como Paquito D’Rivera, Tito Puente e Giovanni Hidalgo. O álbum é beleza, lirismo e energia do início ao fim e Michel Camilo passeia pelos montunos, danzons e uma variedade de ritmos latinos com a naturalidade de quem sabe muito bem onde pisa. A orquestra reunida pelo pianista traz a qualidade de nomes como o do sax alto Paquito D’Rivera; o pupilo de Dizzy Gillespie, trompetista Jon Faddis; o inseparável baixo elétrico de Anthony Jackson; os metais do grupo OTB e do quinteto de Horace Silver, Michael Mossman e Ralph Bowen; a guitarra de Chuck Loeb; a percussão de Giovanni Hidalgo e mais uma infinita constelação de craques do estilo. No CB Latin Jazz Corner você encontra esse e muitos outros discos fundamentais do Latin Jazz.
Michel Camilo – piano
Anthony Jackson – bajo
David Taylor – trombón
Chris Hunter – saxo alto y soprano
Conrado Herwig – trombón
Craig Handy – saxo
David Bargeron – tuba
Ryan Kisor – trompeta
Douglas Purviance – trombón
Cliff Almond – batería
Ed Neumeister – trombón
Ralph Bowen – saxo tenor
Guarionex Aquino – chekere, tambora, guiro, percusión
Michael Mossman – trompeta
Stanton Davis – trompeta
Jon Faddis – trompeta
Paquito D´Rivera – saxo alto
Chuck Loeb – Guitarra eléctrica
Gary Smulyan – saxo barítono
Marvin “Smitty” Smith – Batería
Giovanni Hidalgo – percusión