RSS

Arquivo da categoria: George Coleman

Cedar Walton – George Coleman – Sam Jones – Billy Higgins – Eastern Rebellion (1975)

“Eastern Rebellion” é um dos grandes álbuns de jazz produzidos na década de 70, um período não muito amigável para o jazz straith-ahead e prolífico para o fusion. O quarteto é uma extensão do trio “Magic Triangule” formado pelo pianista Cedar Walton, pelo contrabaixista Sam Jones e pelo baterista Billy Higgins. Com a adesão do saxofonista George Coleman o grupo ganhou muito em possibilidades musicais e produziu uma série de grandes álbuns pelo selo Timeless. O repertório de “Eastern Rebellion” é um primor. De cara nos deparamos com uma das mais instigantes composições de Cedar Walton, “Bolivia”, tema eternizado pelo saudoso trompetista Freddie Hubbard. O baterista Billy Higgins faz um estupendo trabalho nos cymballs. “Naima”, de John Coltrane, tem uma introdução com o piano de Cedar Walton que por si só é uma obra de arte à parte. O tema é desenvolvido em uma levada latina com Billy Higgins dando um show em dinâmica e mostrando o talento que o fez um dos principais no instrumento. Como disse um crítico especializado, Coltrane ficaria orgulhoso de ouvir essa leitura de uma de suas mais líricas composições. “5/4 Thing” de George Coleman tem uma linda melodia passeando sobre os compassos compostos tão utilizados no hardbop. “Bittersweet”, de Sam Jones, é um bebop cheio de malícia e um veículo perfeito para as divagações de um dos mais experientes contrabaixistas do jazz. O álbum chega ao fim com um tema de Cedar Walton que se tornou um clássico do repertório do jazz moderno, “Mode For Joe”, dedicado ao saxofonista Joe Henderson. A intervenção de Billy Higgins é uma aula completa de bateria. Na opinião de muitos críticos “Eastern Rebellion” é um dos grandes álbuns de jazz de todos os tempos, opinião que modestamente este humilde escriba compactua em gênero, número e grau.
Cedar Walton (p); George Coleman (ts); Sam Jones (b); Billy Higgins (d)
C.I. Recording Studio, New York City, December 10, 1975
1- Bolivia (Cedar Walton)
2- Naima (John Coltrane)
3- 5/4 Thing (George Coleman)
4- Bittersweet (Sam Jones)
5- Mode For Joe (Cedar Walton)
Anúncios
 
1 comentário

Publicado por em 30 de agosto de 2009 em Billy Higgins, Cedar Walton, George Coleman, sam jones

 

Lee Morgan – Sonic Boom (1967) + bonus – The Procrastinator (1969)

O relançamento em CD do excelente “Sonic Boom” com o quinteto do trompetista Lee Morgan traz uma grata e secreta surpresa. A grata foi a escolha de uma das melhores sessões do trompetista para a Blue Note e a secreta trata-se das faixas bônus, na verdade um álbum bônus, “The Procrastinator” de 1969. O relançamento acontece na série “Connoisseur cd series” da Blue Note. “Sonic Boom” traz um quinteto com David “Fathead” Newman no sax tenor, Cedar Walton ao piano, Ron Carter no contrabaixo e Billy Higgins na bateria. O álbum tem uma das mais belas interpretações do standard “I’ll never be the same”, com Lee esbanjando técnica e lirismo. “The Mercenary”, com atmosfera dos Messengers, é um dos clássicos do songbook do trompetista. “Sneaky Pete”, de swing intenso e melodia sinuosa, é veículo perfeito para o poderoso tenor do “Cabeção” David Newman. “Cabeção” foi fiel escudeiro de Ray Charles, trabalhou em muitas bandas de baile tocando o blues e é este o enfoque do shuffle composto por Lee em homenagem à “Cabeção”, “Fathead”. “Mumbo Jumbo”, também de Lee, é típica composição da fusão do jazz com ritmos latinos, no caso o mambo. À partir da faixa 7 estaremos ouvindo a sessão para o álbum “The Procrastinator”, gravada em 1969. O grupo, agora um sexteto, é composto por Julian Priester no trombone, George Coleman no sax tenor, Harold Mabern ao piano, Walter Booker no contrabaixo e Mickey Roker na bateria. O standard da sessão é “Stormy Weather”, com a leitura pessoal e diferenciada de Lee Morgan. “Free Flow”, que abre o álbum, é composição de George Coleman, influenciada pela sonoridade e modalismos do quinteto de Miles. “Mr. Johnson”, do pianista Harold Mabern, revela as implicações de John Coltrane na música da década de 60. Julian Priester colabora com “The Stroker”, um tema cheio de balanço, onde ele revela o trombonista especial que é. A latina “Claw-til-da” é criação do baterista Mickey Roker e aponta na direção seguida por Sonny Rollins, uma “caribeização” do jazz. “Untitled Boogaloo”, de Morgan, é funk na veia, música para sacudir o esqueleto.
Um lançamento “dois em um” não é todo dia que aparece. Duas obras-primas. Ostra com duas pérolas.
Lee Morgan (tp) David Newman (ts) Cedar Walton (p) Ron Carter (b) Billy Higgins (d)
Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, April 14, 1967; April 28, 1967.
1- Sneaky Pete
2- The Mercenary
3- Sonic Boom
4- Fathead
5- I’ll Never Be The Same
6- Mumbo Jumbo
Lee Morgan (tp) Julian Priester (tb) George Coleman (ts) Harold Mabern (p) Walter Booker (b) Mickey Roker (d)
Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, September 12, 1969; October 10, 1969
7- Free Flow
8- Stormy Weather
9- Mr. Johnson
10- The Stroker
11- Uncle Rough
12- Claw-Til-Da
13- Untitled Boogaloo

http://ouo.io/UNnkgs