RSS

Arquivo da categoria: Gerry Mulligan

HotBeatJazz 10′ Series – Gerry Mulligan And His Ten-Tette – Capitol H439 (1953)

O baritonista, arranjador e compositor Gerry Mulligan foi alçado a repentino sucesso de crítica e público em 1952, após montar seu pianoless quartet do qual fazia parte o trompetista Chet Baker. Sendo já uma referência entres os músicos, que apreciavam a extrema categoria e qualidade de sua escrita, Mulligan foi com este quarteto apreciado e ovacionado pelo público americano e, posteriormente, mundial. O quarteto pode evidenciar a qualidade de instrumentista de Muligan como saxofonista, porém o arranjo e a composição eram as principais atividades a que ele próprio se dedicava. Já havia escrito para orquestras, para o noneto de Miles Davis em 49-50, montado uma big band, e iniciado sua carreira como líder em 1951, gravando para a Prestige. Após o ano de 1952 ter sido praticamente dedicado a seu quarteto, Mulligan iniciava 1953 com o projeto de um grupo de tamanho médio, 10 músicos, excecutando suas composições e arranjos, algumas delas já gravadas com o quarteto. A este combo foi dado o nome de Ten-Tette.

 

Para tanto Mulligan recrutou parte da nata dos músicos estabelecidos na Califórnia, quase todos com importantes passagens pelas orquestras de Stan Kenton e Woody Herman, os maiores celeiros de solistas do west-coast jazz. A instrumentação era original: 2 trompetes, 1 trombone de válvulas, 1 french-horn, 1 tuba, 1 sax alto, 1 sax barítono, contrabaixo, bateria, e Mulligan atuando hora no sax barítono ou no piano. Pela primeira vez Mulligan se apresentava em gravação atuando ao piano, este que fora seu primeiro instrumento e no qual ele se mostrava muito competente, revelando fortes traços da influência de Duke Ellignton, fato posteriormente admitido pelo próprio Mulligan. Seus arranjos são cheios de luz e suavidade, com os músicos atuando com evidente empenho na execução de suas partituras, e sua música, apesar de altamente organizada e arranjada, dava amplos espaços para os solistas do grupo.
Estas oito faixas foram produzidas por Gene Norman e gravadas nos suntuosos estúdios da Capitol, na Melrose Avenue, em Hollywood. Dividas em duas sessões de gravação ocorridas em 29 e 31 de janeiro de 1953, com o mesmo grupo de músicos, à exceçao do baterista – Chico Hamilton no dia 29 e Larry Bunker no dia 31. Vale destacar as atuações excepcionais dos trompetistas Chet Baker e Pete Candoli, assim como do saxofonista alto Bud Shank, e um novo arranjo para Rocker, anteriormente gravada com o noneto de Miles Davis. O standard Takin’ A Chance On Love tem um arranjo absolutamente original. Walkin’ Shoes, que já havia sido gravada com o quarteto, ganha novas cores e personalidade, e se tornaria um clássico no repertório de Mulligan. Todas as cinco composições restantes trazem a marca de gênio deste verdadeiro gigante do jazz.

 

Chet Baker, Pete Candoli (tp) Bob Enevoldsen (vtb) John Graas (frh) Ray Siegel (tu) Bud Shank (as) Don Davidson (bars) Gerry Mulligan (bars, p) Joe Mondragon (b) Chico Hamilton (d) Larry Bunker (d) *
Capitol Studios, Melrose Avenue, Los Angeles, CA, January 29, 1953
Capitol Studios, Melrose Avenue, Los Angeles, CA, January 31, 1953*

 

1- Taking A Chance On Love*
2- Rocker
3- Ontet*
4- Flash*
5- Simbah*
6- A Ballad
7- Westwood Walk
8- Walkin’ Shoes

 

Anúncios
 

HotBeatJazz 10′ Series – Miles Davis – Capitol Classics in Jazz – 10’LP H549 (1953)

Em 1949, Miles Davis assinou um contrato com a Capitol para gravar 12 faixas inéditas a serem lançadas em singles em 78 rpm e em um LP 10″ em 331/3 rpm. Para este projeto, Miles convocou 8 músicos com os quais já vinha trabalhando desde o ano anterior, com a supervisão e co-direção musical do amigo e arranjador Gil Evans. Gil, ao lado de Gerry Mulligan, Johnny Carisi e John Lewis, havia composto e arranjado um repertório original e revolucionário em proposta musical e o noneto já se apresentavam em clubes onde o bebop reinava, como o Royal Roost. A música apresentada pelo noneto era uma antítese ao padrão do bebop, de combos pequenos, normalmente sem arranjos elaborados e com o foco voltado para a improvisação sobre temas construídos sob aquela estética. A música produzida pela pena, principalmente, de Gerry Mulligan e Gil Evans trazia ao jazz um padrão de organização que a colocava em curso paralelo com a música de câmara erudita. Mulligan foi o principal artífice do grupo, tendo contribuído com a composição e o arranjo de: Jeru, Venus de Milo e Rocker; e somente como arranjador em: Deception, Godchild e Darn That Dream.

 

Das 12 faixas gravadas, oito foram lançadas neste LP 10″, que mostram três formações com pequenas alterações de pessoal, porém respeitando a mesma morfologia de grupo, em três datas distintas entre 21 de janeiro de 1949 e 9 de março de 1950. A música produzida pelo noneto de Miles Davis, juntamente com a de Lennie Tristano, foi fundamental no desenvolvimento do chamado cool jazz, que obtevo grande aceitação na costa oeste americana na década de 50. O chamado west-coast jazz bebe no Birth of The Cool toda sua inspiração musical que seria desenvolvida em paralelo com o hardbop por toda a década.

PS: Chegamos a postagem número 200 a poucos dias de completar 1 ano e meio de atividades, agradecemos a todos os amigos e apoiadores de nossa proposta editorial. Muito obrigado pelo suporte e paciência.

Miles Davis (tp) Kai Winding (tb) Junior Collins (frh) Bill Barber (tu) Lee Konitz (as) Gerry Mulligan (bars, arr) Al Haig (p) Joe Schulman (b) Max Roach (d) John Lewis (arr)

NYC, January 21, 1949
*Miles Davis (tp) J.J. Johnson (tb) Sandy Siegelstein (frh) Bill Barber (tu) Lee Konitz (as) Gerry Mulligan (bars, arr) John Lewis (p) Nelson Boyd (b) Kenny Clarke (d) John Carisi, Gil Evans (arr)
NYC, April 22, 1949
**Miles Davis (tp) J.J. Johnson (tb) Gunther Schuller (frh) Bill Barber (tu) Lee Konitz (as) Gerry Mulligan (bars) John Lewis (p) Al McKibbon (b) Max Roach (d)
NYC, March 9, 1950
1- Jeru (Denzil Best, arranjo por John Lewis)
2- Moon Dreams (Chummy MacGregor, Johnny Mercer, arranjo por Gil Evans)**
3- Venus De Milo (Mulligan)*
4- Deception (Miles Davis, arranjo por Mulligan)**
5- Godchild (George Wallington, arranjo por Mulligan)
6- Rocker (Mulligan)**
7- Israel (Johnny Carisi)*
8- Rouge (John Lewis)*
 

HotBeatJazz 10′ Series – Gerry Mulligan & Allen Eager – The New Sounds 10’LP PRLP 120 (1951)

O segundo 10 polegadas resultante da primeira sessão de Gerry Mulligan como líder saiu pela Prestige sob a co-liderança de Gerry e do saxofonista Allen Eager. Eager foi um direto seguidor dos cânones de Lester Young, linearidade no fraseado e um timbre macio e envolvente. Nascido em NYC em 10 de janeiro de 1927, foi um dos músicos da nova geração do bebop tendo atuado com seu próprio combo pela rua 52 entre 46 e 47, antes disto, atuou em importantes orquestras como as de Bobby Sherwood, Sonny Dunham, Shorty Sherock, Hal McIntyre, Woody Herman, Tommy Dorsey, e Johnny Bothwell. Em 48 tocou com Tadd Dameron e em 1951 trabalhava com Gerry Mulligan. Eager teve uma carreira irregular, tendo abandonado a cena musical por diversas vezes, a partir de 57 pouco se soube de Allen Eager. O próprio Eager cita a morte de CHarlie Parker e seu próprio envolvimento com drogas pesadas como motivo de sua ausência da cena. Nos anos 60 Eager se envolveu com o automibilismo, tendo se tornado piloto de competições, e manteve uma relaçao próxima com os experimentos de Timothy Leary e o uso do LSD. Em 1960 se aprsentou ao lado de Charles Mingus e em 70 com Frank Zappa. Nova retirada para somente ressurgir em 1982 e fazer tournés com Dizzy Gillespie. Eager veio a falecer em 2003.

 

Esta sessão de Gerry Mulligan e Allen Eager de certa forma repetia o modelo das gravações em noneto do ano anterior com Miles Davis para a Capitol, o Birth of the Cool. Aqui Mulligan mostra todo seu talento como compositor e arranjador em temas que seriam várias vezes revisitados durante sua carreira como: Funhouse, Bweebida Bobbida, Ide’s Side e Roundhouse.

 

Com este ítem somado ao do post anterior sobre Mulligan: Gerry Mulligan All Stars – 10’LP PRLP 141 (1951), completamos esta histórica data, a primeira de Gerry Mulligan como líder em um estúdio de gravação.

 

Jerry Lloyd, *Nick Travis (tp) *Ollie Wilson (tb) Allen Eager (ts) Max McElroy, Gerry Mulligan (bars) George Wallington (p) Phil Leshin (b) Walter Bolden (d) Gail Madden (maracas)
NYC, August 27, 1951

 

1- Roundhouse* (G. Mulligan)
2- Ide’s Side* (G. Mulligan)
3- Bweebida Bobbida* (G. Mulligan)
4- Kaper* (G. Mulligan)
5- Funhouse (G. Mulligan)
6- Mullenium (G. Mulligan)
 

HotBeatJazz 10′ Series – Gerry Mulligan All Stars – 10’LP PRLP 141 (1951)

Em 1951, aos 24 anos de idade, Gerry Mulligan já era um respeitado arranjador. Suas composições e arranjos já haviam sido admirados nas orquestras de Gene Krupa, Claude Thornhill, Elliot Lawrence, Stan Kenton e, principalmente, no noneto de Miles Davis, que causava sensação com a original proposta sonora do Birth of The Cool. Para este revolucionário trabalho de Miles Davis ele havia contribuído com as composições e arranjos de: Jeru, Boplicity, Godchild e Venus De Milo, atuando como arranjador ao lado de nomes ilustres como Gil Evans, John Lewis e Johnny Carisi.

 

Mulligan, entretanto, ainda não havia tido uma sessão de gravação como líder, a qual só aconteceria em 27 de agôsto para a gravadora Prestige, de Bob Weinstock. Mulligan foi gravado em um quinteto que incluía o saxofonista tenor Allen Eager, o pioneiro pianista do bebop George Wallington, o contrabaixista Phil Leshin e o baterista Walter Bolden. Uma única composição ocupava os dois lados do LP 10 polegadas, Mulligan’s Too, uma extensa improvisação na qual os saxes barítono do líder e tenor de Eager estimulam-se mútuamente. A composição é ainda muito calcada no bebop, estilo responsável pela formação e influências musicais de Gerry. George Wallington contribui com uma perfeita sustentação harmônica e rítmica, ele que foi um dos mais especiais pianistas do bebop. Ouviremos esta preciosa obra de arte em sua versão integral, sem os cortes necessários para sua inclusão nos dois lados do LP.

 

Perceba Mulligan poucos meses antes da organização de seu famoso quarteto pianoless ao lado de Chet Baker, que o projetaria para o mundo como um dos mais importantes nomes do jazz moderno.

PS: Faz-se necessário, dar devido destaque às informações deixadas pelo amigo Apóstolo nos comentários deste post, que aqui reproduzo:

“Esse lançamento é apenas uma parte da “primeira” gravação de MULLIGAN, originalmente gravada como “GERRY MULLIGAN NEW STARS” na data de 21/setembro/1951 em New York e para a Prestige (que lançou incontáveis albuns com partes da sessão, inclusive um antológico LP duplo “MULLIGAN / BAKER”, além de lançamentos pelos selos “Saga Jazz” e “Proper”, estes em CD).A formação completa na gravação contou com JERRY LLOYD HURWITZ e NICK TRAVIS nos trumpetes, OLLIE WILSON no trombone de válvulas, ALLAN EAGER no tenor, MULLIGAN e MAX McELROY nos barítonos, GEORGE WALLINGTON no piano, PHIL LESHIN no baixo, WALTER BOLDEN na bateria e GAIL MADDEN nas maracas em 02 faixas.Além dessa espetacular faixa “Mulligan’s Too” com mais de 17 minutos, ficaram gravadas “Kaper”(02 tomadas), “Roundhouse”, “Ide’s Side”, “Bweebida Bobbida”, “Funhouse” e “Millenium”.Essa é considerada a primeira gravação de MULLIGAN como líder, já que sua verdadeira primeira gravação ficou “enterrada” com a gravadora e sem lançamento comercial: “Gerry Mulligan Quintet And Orchestra”, tomada diretamente do “Bop City” de New York em 12/janeiro/1950, com os temas “Gold Rush”, “Lady Be Good” e um incompleto “Tenderly”.Na formação, à frente de orquestra com músicos não identificados, MULLIGAN no barítono, PHIL URSO no tenor, BOB KARSH no piano, TOM O’NEIL no baixo e HOWIE MANN na bateria.MULLIGAN contabiliza “apenas” 97 gravações como líder, 196 complilações e regravações, 25 cópias de cessões para diversas etiquetas, 39 com grupos, 21 participações em trilhas sonoras de filmes, além de 57 participações em “Outras” formações = pouca coisa ! ! !”
Allen Eager (ts) Gerry Mulligan (bars) George Wallington (p) Phil Leshin (b) Walter Bolden (d) NYC, August 27, 1951

 

 1- Mulligan’s Too (G. Mulligan)
 

HotBeatJazz 10′ Series – Gerry Mulligan Quartet – Gene Norman Presents Vol.3 – 10’LP GNP3 (1953)

Gerald Joseph “Gerry” Mulligan nasceu em NYC em 6 de abril de 1927. Começou na música como pianista, mudando posteriormente para o clarinete e o saxofone barítono, no qual foi um dos maiores nomes na história do jazz. Aos 17 anos de idade Mulligan já escrevia arranjos para uma orquestra de rádio liderada por Johnny Warrington. Tendo passado sua infância e adolescência na Filadélfia, Mulligan voltou a NYC aos 19 anos para trabalhar como arranjador para a orquestra de Gene Krupa. Posteriormente trabalharia com as bandas de Claude Thornhill, Kai Winding e Stan Kenton, até que em 1948 começa a tomar parte em um grupo de músicos organizados por Gil Evans e Miles Davis. Foi com este grupo que Mulligan começaria a fazer história, no que se chamou posteriormente de Birth of The Cool, gravações realizadas por um noneto em 49 e 50, que marcariam o surgimento de um novo estilo. Mulligan atuou de forma marcante como saxofonista, compositor e arranjador, ao lado de Gil Evans, John Lewis e Johnny Carisi.

Em 1951, Mulligan muda para Los Angeles, onde no ano seguinte voltaria a revolucionar a estética do jazz com a formação de um quarteto ao lado do jovem trompetista Chet Baker. Este quarteto teve como característica inovadora a não utilização do piano, o que lhe conferia uma sonoridade absolutamente original e camerística. Apesar de nunca ter sido um virtuoso como instrumentista, ele o era na inteligência. Seus arranjos produziam uma tal beleza melódica e harmônica entre as linhas do sax e do trompete, que a sustentação da harmonia por intermédio de acordes não era fundamental. Para se entender o êxito no intento há que se fazer juz ao toque macio e altamente melódico do trompete de Chet Baker.

As gravações que aqui apresentamos, foram produzidas por Gene Norman em sessão realizada em 7 de maio de 1953, em Los Angeles, com a terceira formação do quarteto, que contava além de Mulligan e Baker, com Carson Smith no contrabaixo e Larry Bunker na bateria. O repertório traz dois standards: Love Me Or Leave Me e Speak Low, dois originais de Mulligan: Varsity Drag e Swing House, e dois temas típicamente bop: Half Nelson, de Miles Davis, e Lady Bird, de Tadd Dameron.

 

Discorrer sobra a música é absolutamente dispensável, estas gravações fazem parte do Tao do jazz, são obras primas eternas e absoltuamente atuais, como são todas as criações verdadeiramente revolucionárias.

Chet Baker (tp) Gerry Mulligan (bars) Carson Smith (b) Larry Bunker (d)
Los Angeles, CA, May 7, 1953

 

1- Varsity Drag
2- Swing House
3- Love Me Or Leave Me
4- Half Nelson
5- Speak Low
6- Lady Bird