RSS

Arquivo da categoria: lee morgan

Hank Mobley Quintet – The Jazz Message of Hank Mobley Vol. 2 (1956) (Re-up)

Quando Hank Mobley gravou estas sessões para a Savoy, em 1956, ele ainda fazia parte dos Jazz Messengers, e somente 3 dias após a primeira data destas duas sessões ele participaria de sua derradeira colaboração com o combo que passaria a ser liderado pelo baterista Art Blakey. Viria então uma verdadeira avalanche de gravações para Savoy, e posteriormente a Blue Note, com as quais Mobley se notabilizaria como um dos mais produtivos músicos do período. Sua imensa capacidade de compor temas encheria dezenas de lp’s nos próximos dez anos, até que sua abalada saúde o fizesse diminuir o ritmo de gravações.
Este clássico do hardbop traz Mobley ao lado de músicos vitais para o estilo, em duas formações distintas de quinteto. A segunda data, de novembro de 56, contava com Lee Morgan – então um prodígio de apenas 18 anos, o pianista Hank Jones e o baterista Art Taylor. O contrabaixista Doug Watkins é o único músico presente nas duas datas que formam o álbum. Mesmo que Lee Morgan estivesse nesta época ainda se desenvolvendo como instrumentista, sua postura, excecução e recursos de imaginação, eram já ferramentas dignas de um mestre. O trompetista Donald Byrd, o pianista Barry Harris, e o veterano baterista Kenny Clarke, seriam os parceiros para a gravação realizada em julho. A influência em Mobley dos saxofonistas da era do swing, desde Lester Young até Illinois Jacquet, pode ser claramente percebida nestas faixas. O respeito e entendimento de Mobley para com a era pre-bebop capacitaram-no perfeitamente para o desenvolvimento do estilo de jazz predominante que sucedeu o bebop.
Ao lado de 3 composições originais de Mobley, o repertório traz ainda 1 blues de autoria de Thad Jones e um típico tema hardbop do contrabaixista Doug Watkins. Ao todo, são 32 minutos de jazz proporcionados por músicos de primeira linha no estilo.
Donald Byrd (tp) Hank Mobley (ts) Barry Harris (p) Doug Watkins (b) Kenny Clarke (d) Rudy Van Gelder Studio, Hackensack, NJ, July 23, 1956

 

*Lee Morgan (tp) Hank Mobley (ts) Hank Jones (p) Doug Watkins (b) Art Taylor (d) Rudy Van Gelder Studio, Hackensack, NJ, November 7, 1956
1. Thad’s Blues (T. Jones)*
2. Doug’s Minor B’ Ok” (D. Watkins)*
3. B. For B.B. (H. Mobley)
4. Blues Number Two (H. Mobley)
5. Space Flight (H. Mobley)

 

Anúncios
 

Hank Mobley – A Slice Of The Top (1966)

Na extensa discografia do saxofonista Hank Mobley, “A Slice Of The Top” é um ítem que se destaca. Os originais compostos por Mobley foram criados durante sua prisão no ano de 1964, em virtude de condenação por posse de narcóticos, e foram arranjados por Duke Pearson para um formato pouco habitual ao saxofonista, um octeto. Na linha de frente, além de Mobley, o inseparável Lee Morgan ao trompete, o excelente, porém pouco lembrado James Spaulding no sax alto e flauta, Howard Johnson na tuba e Kiane Zawadi no euphonium. A seção rítmica é um primor, McCoy Tyner ao piano, Bob Cranshaw ao contrabaixo e Billy Higgins à bateria. A mão de Duke Pearson nos arranjos é sentida já nas primeiras notas do tema de abertura, “Hank’s Other Bag”, com a tuba e o euphonium mostrando o papel importante reservado pelo arranjador nos voicings. “There’s A Lull In My Life” vem em seguida e é a balada sempre presente nos álbuns da Blue Note no período. “Cute ‘N’ Pretty” é um belo tema em andamento de valsa e também um ótimo veículo para as intervenções de McCoy e Spaulding na flauta. McCoy havia saído a pouco tempo do quarteto de Coltrane e começava a dar mais atenção a sua própria carreira discográfica, também na Blue Note. “A Touch Of Blue” é o ponto alto do álbum. O solo de Mobley mostra o quanto este músico especialíssimo não recebeu o crédito devido ao seu talento e à sua importância no desenvolvimento do hardbop. Tendo começado sua vida musical na banda de blues de Paul Gayten, logo absorveu a sintaxe do bebop e foi peça fundamental no hardbop dos anos 50 e 60. A faixa título do álbum encerra esta reunião de músicos luminares com uma proposta de hardbop modal onde os solistas se lançam ao extremo no desenvolvimento dos solos. “A Slice Of The Top” é ítem obrigatório na discografia de Hank Mobley e para quem deseja conhecer os grandes momentos do maravilhoso jazz produzido pelo selo Blue Note na década de 60.
Lee Morgan (tp) Kiane Zawadi (euph) Howard Johnson (tu) James Spaulding (as, fl) Hank Mobley (ts, arr) McCoy Tyner (p) Bob Cranshaw (b) Billy Higgins (d) Duke Pearson (arr)
Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, March 18, 1966
1- Hank’s Other Bag (H. Mobley)
2- There’s A Lull In My Life (M. Gordon – H. Revel)
3- Cute ‘N’ Pretty (H. Mobley)
4- A Touch Of The Blues (H. Mobley)
5- A Slice Of The Top (H. Mobley)
 

Lee Morgan – Sonic Boom (1967) + bonus – The Procrastinator (1969)

O relançamento em CD do excelente “Sonic Boom” com o quinteto do trompetista Lee Morgan traz uma grata e secreta surpresa. A grata foi a escolha de uma das melhores sessões do trompetista para a Blue Note e a secreta trata-se das faixas bônus, na verdade um álbum bônus, “The Procrastinator” de 1969. O relançamento acontece na série “Connoisseur cd series” da Blue Note. “Sonic Boom” traz um quinteto com David “Fathead” Newman no sax tenor, Cedar Walton ao piano, Ron Carter no contrabaixo e Billy Higgins na bateria. O álbum tem uma das mais belas interpretações do standard “I’ll never be the same”, com Lee esbanjando técnica e lirismo. “The Mercenary”, com atmosfera dos Messengers, é um dos clássicos do songbook do trompetista. “Sneaky Pete”, de swing intenso e melodia sinuosa, é veículo perfeito para o poderoso tenor do “Cabeção” David Newman. “Cabeção” foi fiel escudeiro de Ray Charles, trabalhou em muitas bandas de baile tocando o blues e é este o enfoque do shuffle composto por Lee em homenagem à “Cabeção”, “Fathead”. “Mumbo Jumbo”, também de Lee, é típica composição da fusão do jazz com ritmos latinos, no caso o mambo. À partir da faixa 7 estaremos ouvindo a sessão para o álbum “The Procrastinator”, gravada em 1969. O grupo, agora um sexteto, é composto por Julian Priester no trombone, George Coleman no sax tenor, Harold Mabern ao piano, Walter Booker no contrabaixo e Mickey Roker na bateria. O standard da sessão é “Stormy Weather”, com a leitura pessoal e diferenciada de Lee Morgan. “Free Flow”, que abre o álbum, é composição de George Coleman, influenciada pela sonoridade e modalismos do quinteto de Miles. “Mr. Johnson”, do pianista Harold Mabern, revela as implicações de John Coltrane na música da década de 60. Julian Priester colabora com “The Stroker”, um tema cheio de balanço, onde ele revela o trombonista especial que é. A latina “Claw-til-da” é criação do baterista Mickey Roker e aponta na direção seguida por Sonny Rollins, uma “caribeização” do jazz. “Untitled Boogaloo”, de Morgan, é funk na veia, música para sacudir o esqueleto.
Um lançamento “dois em um” não é todo dia que aparece. Duas obras-primas. Ostra com duas pérolas.
Lee Morgan (tp) David Newman (ts) Cedar Walton (p) Ron Carter (b) Billy Higgins (d)
Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, April 14, 1967; April 28, 1967.
1- Sneaky Pete
2- The Mercenary
3- Sonic Boom
4- Fathead
5- I’ll Never Be The Same
6- Mumbo Jumbo
Lee Morgan (tp) Julian Priester (tb) George Coleman (ts) Harold Mabern (p) Walter Booker (b) Mickey Roker (d)
Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, September 12, 1969; October 10, 1969
7- Free Flow
8- Stormy Weather
9- Mr. Johnson
10- The Stroker
11- Uncle Rough
12- Claw-Til-Da
13- Untitled Boogaloo

http://ouo.io/UNnkgs

 

Conte Candoli & Lee Morgan – Double Or Nothin’ (1957)

“Double or Nothin'” foi gravado em 1957 e lançado pela gravadora Liverty, pequeno selo da Califórnia. Originalmente creditado como “Howard Rumsey/Charlie Persip – Double Or Nothin’ (Liverty LRP 3045)”, teve nos anos 60 um relançamento em LP já em nome da dupla de trompetistas.
A cena da gravação: Músicos da costa leste que estavam em Hollywood acompanhando Dizzy Gillespie em apresentações e gravações pela Califórnia em Fevereiro de 1957, tocam nos fins de semana livres no famoso clube Lighthouse em Hermosa Beach, reduto dos músicos mais descolados da West Coast. O proprietário do Lighthouse era o contrabaixista Howard Rumsey, músico atuante no cenário local à época. Estão disponíveis para a sessão alguns músicos do hepteto que acompanha Dizzy Gillespie: o pupilo deste na ocasião, Lee Morgan, atuando em um trompete modelo Gillespie, com a famosa campana voltada pra o alto. O saxofonista Benny Golson, o pianista Wynton Kelly e o baterista Charlie Persip completam os Yankes. Os músicos locais de grande expressão, todos muito influenciados pelo som de NYC desde o bebop na metade dos anos 40, agora tinham sua atenção no hardbop que começava a ecoar da Big Apple. Alguns habituais das gravações no Lighthouse lá estavam: o especialíssimo trombonista Frank Rosolino, o saxofonista Bob Cooper, o pianista Dick Shrieve, o contrabaixista Red Mitchell e o baterista radicado na West Coast, Stan Levey. Estes gravaram ao lado de Candoli e Morgan no dia 14 de Fevereiro, temas: “Moto”, de Bob Cooper; “Stablemates”, de Benny Golson e “Quicksilver”, de Horace Silver. Os temas restantes foram gravados duas semanas depois com Wynton Kelly ao piano, Charlie Persip na bateria e o contrabaixista Wilfred Middlebrooks em dois temas. O repertório é todo de clássicos do hardbop, bebop e west-cost jazz. Benny Golson assina quatro maravilhas, Dizzy é lembrado em “The Champ”, o clássico hardbop “Quicksilver” de Horace Silver, “Wildwood” de Gigi Gryce, “Moto” de Bob Cooper e, ainda vale destacar, a bela balada “Celedia” de Golson.
“Double or Nothin'” é uma perfeita mistura de músicos de primeira qualidade, de concepções estéticas diversas, porém complementares, da sonoridade do leste e do oeste americano durante a efervescente cena musical da segunda metade dos criativos anos 50.
Lee Morgan (tp) Conte Candoli (tp) Frank Rosolino (tb) Benny Golson (ts) Bob Cooper (ts) Dick Shreve (p) Red Mitchell (b) Stan Levey (d)
“Lighthouse Club”, Hermosa Beach, CA, February 14, 1957
Lee Morgan (tp) Conte Candoli (tp) Frank Rosolino (tb) Benny Golson (ts) Bob Cooper (ts) Wynton Kelly (p) Wilfred Middlebrooks (b -1,7) Red Mitchell (b) Charlie Persip (d)
“Lighthouse Club”, Hermosa Beach, CA, February 27, 1957
1. Reggie of Chester (B. Golson)
2. Stablemates (B. Golson)
3. Celedia (B. Golson)
4. The Moto (Bob Cooper)
5. Champ (D. Gillespie)
6. Blues After Dark (B.Golson)
7. Wildwood (G. Gryce)
8. Quicksilver (H. Silver)
9. Bye Bye Blues (Lown)

http://ouo.io/5MZGtT

 

Art Blakey & The Jazz Messengers – A Night In Tunisia (1960)

A formação de ouro dos Messengers em um de seus melhores discos.
Lee Morgan (tp) Wayne Shorter (ts) Bobby Timmons (p) Jymie Merritt (b) Art Blakey (d) Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, August 7, 1960
1. A Night In Tunisia
2. Sincerely Diana
3. Sincerely Diana (alternate take)
4. So Tired
5. Yama
6. Kozo’s Waltz
7. When Your Lover Has Gone
 

Art Blakey & The Jazz Messengers – A Night In Tunisia (1960)

A formação de ouro dos Messengers em um de seus melhores discos.
Lee Morgan (tp) Wayne Shorter (ts) Bobby Timmons (p) Jymie Merritt (b) Art Blakey (d) Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ, August 7, 1960
1. A Night In Tunisia
2. Sincerely Diana
3. Sincerely Diana (alternate take)
4. So Tired
5. Yama
6. Kozo’s Waltz
7. When Your Lover Has Gone
 
 

Hank Mobley Sextet – With Donald Byrd And Lee Morgan (1956)

Uma das primeiras sessões de Lee Morgan e ainda a participação de 3 integrantes dos Jazz Messengers da época, Hank Mobley, Donald Byrd e Horace Silver.
Donald Byrd, Lee Morgan (tp) Hank Mobley (ts) Horace Silver (p) Paul Chambers (b) Charlie Persip (d) Rudy Van Gelder Studio, Hackensack, NJ, November 25, 1956
1 – Touch And Go
2 – Double Whammy
3 – Barrel Of Funk
4 – Mobleymania
5 – Barrel Of Funk (alt tk)