RSS

Arquivo da categoria: Lester Young

HotBeatJazz 10′ Series – King Cole – Lester Young – Red Callender Trio – 10’LP AL 705 (1942)

Após apreciarmos Stan Getz, nada melhor do que ir beber direto à fonte, trazendo o saxofonista tenor Lester Young em uma de suas sessões de maior êxito, tanto do ponto de vista artístico quanto de sucesso junto ao público. Em 1942, a apenas 15 dias do início da greve declarada pelo sindicato dos músicos, suspendendo as gravações em estúdios, Lester Young gravou quatro faixas para a gravadora Aladdin, lançadas em 78 rpm, ao lado do fenomenal pianista Nat King Cole e do explêndido contrabaixista Red Callender.

Cada músico escolheu um tema de sua preferência. Nat King Cole trouxe a imortal Body And Soul, Red Callender escolheu e teve lugar de destaque em Tea For Two. Lester Young fez um registro definitivo de I Can’t Get Started, e os três em conjunto decidiram pela inclusão de Indiana no repertório.

Lester e Nat tinham um entrosamento total, dois superlativos mestres do swing que influenciaram inúmeros músicos no jazz. Perceba em Indiana, a influência de Nat no toque de Oscar Peterson, principalmente na forma de acentuação dos tempos com a mão esquerda. Lester Young realizou na pequena gravadora Aladdin suas mais importantes gravações na carreira, sendo estas faixas exemplo do que de melhor houve no período do swing. Quatro temas gravados por três mestres que entraram para a história do jazz. De 1942 para a eternidade!

PS: Estas faixas foram lançadas em formato CD em: Lester Young – The Complete Aladdin Recordings

Lester Young (ts) Nat King Cole (p) Red Callender (b)
LA July 15, 1942

 

1- Body And Soul
2- Tea For Two
3- I Can’t Get Started
4- Indiana

 

 

HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young with The Oscar Peterson Trio N°2 – 10’LP MGN-6 (1952)

O segundo volume resultante da sessão de gravação para a Norgran, realizada em 4 de agôsto de 1952. Lester Young ao lado de Oscar Peterson e seu trio, gravaram quatro standards. Tea For Two, Indiana, On The Sunny Side Of The Street e There’ll Never Be Another You.
Lester Young (ts) Oscar Peterson (p) Barney Kessel (g) Ray Brown (b) J.C. Heard (d)
NYC, August 4, 1952

 

1- Tea For Two
2- There Will Never be Another You
3- Indiana
4- On The Sunny Side of the Street
 

HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young with The Oscar Peterson Trio – 10’LP MGN-5 (1952)

Vida difícil esta de blogueiro dedicado ao jazz. Estava em uma indecisão infindável. Sabia que postaria mais um 10 polegadas e de um saxofonista tenor. Mas qual? Então as coisas começam a clarear. Percebo que o meu amigo, grande conhecedor de jazz e o melhor blogueiro que conheço da matéria, Érico Cordeiro está on line em um desses onipresentes comunicadores web. Pensei cá com os meus botões: “Vou repassar o problema.” Mando a pergunta seca e sem dar ao interlocutor nenhum espaço para evasivas: “Lester Young ou Don Byas? Escolhe”. A resposta veio alguns segundos depois, taxativa: “Lester, sempre!!!!!!!” Estava acabado meu calvário constante em ter que decidir entra tantas opções, pelo menos hoje.

 

Falar de Lester Young novamente seria enfadonho e desnecessário, a poucos dias coloquei outro post deste imortal do jazz. O saxofonista que fez a cabeça do maior número de músicos até o surgimento de Charlie Parker. A gravação em questão foi realizada em 1952, para o selo Norgran. O produtor Norman Granz reuniu em estúdio dois dos maiores artistas de seu cast, Lester e o pianista Oscar Peterson, com seu trio formado pela genial guitarra de Barney Kessel, pelo contrabaixo do inigualável Ray Brown e pela bateria de J. C. Heard. As gravações desta sessão geraram uma série de LP’s 10 polegadas da qual hoje postamos o primeiro volume.

 

Um original e três standards compõe a bolachinha. A interpretação de I Can’t Get Started, está entre os maiores momentos da carreira de Lester, seu lirismo e fluidez de frases revelam uma poesia musical única. Em Just You, Just Me, temos o Lester nas frases rápidas, e você entenderá o quanto este músico influenciou a geração de Charlie Parker e dos boppers. Oscar Peterson e seu estilo límpido nas teclas, com as caraterísticas acentuações de mão esquerda, revelam o enorme estilista que foi. Barney Kessel, a guitarra que fez a cabeça da geração bossa-nova, é uma presença marcante em todas as quatro faixas do disco. Ray Brown é garantia de segurança rítmica, pulsação e muito swing em qualquer combo dos quais participou. J. C. Herad era um baterista muito requisitado nos estúdios por ser extremamente eclético, adequando seu modo de tocar a todas as exigências da música.

 

Lester Young with The Oscar Peterson Trio, é um dos maiores momentos gravados do imortal Lester Young, comparável as feitas na década de trinta com Count Basie. Tudo perfeito nesta maravilhosa data produzida por Norman Granz. Amanhã o segundo volume da série. Érico, tinha que ser mesmo. Lester, sempre !!!!!!!!!
Lester Young (ts) Oscar Peterson (p) Barney Kessel (g) Ray Brown (b) J.C. Heard (d)
NYC, August 4, 1952
1- Ad Lib Blues
2- I Can’t Get Started
3- Just You, Just Me
4- Almost Like Being in Love

 

 

HotBeatJazz 10′ Series – Lester Young – Trio N°2 – 10’LP MGC-135 (1946)

O desenvolvimento do saxofone tenor no jazz teve como primeiro mestre Coleman Hawkins, o pai do saxofone, como era chamado, porém foi Lester Young o mais influente músico neste instrumento. Sua sonoridade macia, seu toque relaxado, contrastava com o estilo praticado até então. Lester fez o saxofone deixar de soar de maneira hot, e foi o precursor do estilo cool no jazz. Nascido em uma família de músicos em Woodville, Mississippi, em 27 de Agosto de 1909, e ainda jovem tendo ido viver em New Orleans, Luisiana, desde muito cedo esteve em contato com mundo da música, tocando bateria na banda de seu pai, nas barcas que subiam o rio Mississipi. Abandonou a bateria quando percebeu o inconveniente causado nas relaçoes com o sexo feminino, desmontar e embalar o instrumento o impossibilitava de acompanhar as moças que se interessavam pelos músicos. Passou a bateria para seu irmão, Lee Young, e mudou para o sax alto. Neste instrumento ingressou na banda de Art Bronson, depois mudou para o sax tenor e tocou com o pioneiro King Oliver. Uma temporada breve com Count Basie, músico oriundo de Kansas City, onde Lester se estabeleceu, antecipou sua conturbada estada na banda de Fletcher Henderson, onde por substituir ninguem menos do que Coleman Hawkins, foi cobrado em executar um estilo que fosse semelhante, áspero e agressivo. Impossível para Lester, abandonou o grupo e se juntou a banda de Any Kirk, antes de retornar ao grupo de Basie em 36 e gravar faixas em que se tornaria uma referência obrigatória em uma nova maneira de se exprimir no sax tenor. Foi neste combo que Lester conheceria aquela que foi sua maior amiga, confidente e íntima, numa relação que durou por toda sua vida, Billie Holiday. Billie deu a Lester o apelido que passaria a ser sua marca, Pres, uma abreviatura para Presidente. Ao lado de Billie gravou solos antológicos para a história do jazz e atribuiu à ela o apelido de Lady Day. Foram como amigos, irmãos, apaixonados um pelo outro, e atravessaram juntos os difíceis caminhos das drogas e da dificuldade em ser negro em um país regido por leis segregacionistas.

 

A gravação que tratamos aqui foi realizada em 1946, em Hollywood, em uma produção de Norman Granz para seu selo Clef. Lester está acompanhado pelo baterista Buddy Rich e pelo pianista Nat King Cole, que por razões contratuais aparece sob o pseudônimo de Aye Guy. Interpretam quatro standards, com a curiosidade de que em Peg O’ My Heart, eles atuam em duo de saxofone e piano, em virtude de Buddy Rich ter sido acometido por uma súbita e inexplicável fome, que o fez se ausentar do estúdio e buscar alimento. A gravação The Man I Love tornou-se um clássico na discografia de Lester, seu discurso é primoroso e ainda hoje atual. Nat King Cole toca com paixão incontida, em uma atmosfera diversa da que costumava ter com seu fabuloso trio. Enfim são quatro faixas que entraram para posteridade, e de quebra, você ainda vai poder matar as saudades dos chiados e estalos peculiares a um velho 10 polegadas. As faixas foram extraídas de um exemplar original.

 

Lester Young (ts) Nat “King” Cole (p) Buddy Rich (d)
Radio Recorders, Hollywood, CA, March-April, 1946

 

1- I Want to Be Happy
2- Peg o’ My Heart
3- Mean to Me
4- The Man I Love