RSS

Arquivo da categoria: Ronnie Mathews

Ronnie Mathews Trio – Selena’s Dance (1988)

Quando do falecimento do pianista Ronnie Mathews, a pouco mais de um ano, em 28 de junho de 2008, as revistas especializadas e jornais que se dignaram a noticiar o fato tiveram, todos, um ponto em comum no corpo de suas matérias: “Ronnie não teve o merecido reconhecimento de seu talento.” E isto, sim, é uma verdade, assim como também é uma verdade que centenas de grandes jazzistas amargaram o mesmo descrédito. Ronnie Mathews nasceu em 2 de dezembro de 1935 em NYC, desenvolveu seu estilo ao piano com as óbvias influências de Thelonious Monk e Bud Powell, e já aos seus vinte e poucos anos trabalhava e gravava com Max Roach, Freddie Hubbard e Roy Haynes. Na virada da década de 50 para 60, teve uma breve passagem pelos Jazz Messengers de Art Blakey e lecionou piano na Long Island University. Nos anos 70 teve uma duradoura associação com Johnny Griffin e trabalhou com Dexter Gordon e Woody Shaw. Somente na década de 80 Ronnie começou a receber os spotlights como líder, atuando em duos, trios e quartetos e gravando seus principais álbuns como músico de frente. Foi nesse período que gravou na Hollanda “Selena’s Dance”, em uma formação de trio com Stafford James ao contrabaixo e, o também falecido em 2008, Tony Reedus na bateria. O álbum começa com uma estupenda leitura de “In a Sentimental Mood” de Duke Ellington, em uma interpretação como deve ser, sentimental mas sem sentimentalismos. “My Funny Valentine” tem uma estimulante, e nada convencional, interpretação com tintas latinas e atmosfera ensolarada de bossa-nova. “Stella By Starlight” é veículo para o contrabaixo de Stafford James apresentar o tema com muito swing e sem se afastar muito da melodia. “Selena’s Dance” mostra a influência do estilo de McCoy Tyner na visão musical de Ronnie, uma mão esquerda vigorosa e um ritmo cíclicamente hipnótico. Em “Body And Soul”, Ronnie constrói um verdadeiro prelúdio ao belo tema deste standard e paga uma homenagem estilística á Oscar Peterson. “There Is No Greater Love” é exibida em altíssimo astral, em um groove que, com certeza, faria Art Tatun exibir um sorriso largo. “Blue Bossa”, de Kenny Dorham, reforça o apreço de Ronnie pelas melodias e ritmos de origem latinas e seu toque percussivo fica evidente. O álbum encerra com uma composição de Wayne Shorter, “Fee Fi Fo Fum”, onde ficamos com a certeza de que foi nos anos 60 que este exímio pianista forjou seu estilo rico e complexo.
“Selena’s Dance” é um ponto alto na diminuta carreira discográfica de solista deste pianista que não teve em número de oportunidades nem a milionésima parte do que seu talento merecia.
Ronnie Mathews (p); Stafford James (b); Tony Reedus (d).
Recorded at Studio 44, Monster, Holland, February, 1, 1988
1- In A Sentimental Mood
2- My Funny Valentine
3- Stella By Starlight
4- Selena’s Dance
5- Body And Soul
6- Thers Is No Greater Love
7- Blue Bossa
8- Fee Fi Fo Fun
 
1 comentário

Publicado por em 28 de outubro de 2009 em Ronnie Mathews, stafford james, Tony Reedus