RSS

Arquivo da categoria: Stan Levey

HotBeatJazz 10′ Series – Charlie Parker – 10’LP Dial 207 (1947)

Chegamos ao quarto volume dos 10 polegadas com a obra de Charlie Parker na Dial. Composto por faixas registradas em 3 sessões: 5 de fevereiro de 1946, na Califórnia; 4 de novembro e 17 de dezembro de 1947, em NYC.

 

Diggin’ Diz, também conhecida como Bongo Beep ou Hot Blues, é uma paráfrase de Lover, de Richard Rodgers, composta por George Handy. Handy foi o pianista desta sessão ao lado de Dizzy Gillespie no trompete, Lucky Thompson no sax tenor, Arvin Garrison na guitarra, Ray Brown no contrabaixo e Stan Levey na bateria.

 

Na sessão de 4 de novembro de 1947, no estúdio WOR, em NYC, foram registradas: os originais Bird Feathers, Klactoveedsedstene; e os standards My Old Flame – em uma definitiva e inigualável interpretação – e Out Of Nowhere. Estes quatro temas foram gravados pelo quinteto clássico de Parker, que contava com Miles Davis, Duke Jordan, Tommy Potter e Max Roach.

 

As três faixas restantes foram registradas na sessão de 17 de dezembro, com o quinteto transformado em um sexteto com a adição do trombonista J. J. Johnson. São desta data: Air Conditioning, também chamada Drifting On A Reed ou Prezology, um blues de 12 compassos de autoria de Bird; Bongo Beep (versão Habanera Mambobop) e Crazeology, uma paráfrase do trompetista Little Benny Harris para I Got Rhythm, de George Gershwin.

 

Com este quarto volume completamos os LP’s 10 polegadas lançados pela gravadora Dial, no início dos anos 50, contendo parte da obra gravada por Charlie Parker neste sêlo.

 

Dizzy Gillespie (tp) Charlie Parker (as) Lucky Thompson (ts) George Handy (p) Arvin Garrison (g) Ray Brown (b) Stan Levey (d)
Electro Broadcast Studios, Glendale, CA, February 5, 1946*

 

Miles Davis (tp) Charlie Parker (as) Duke Jordan (p) Tommy Potter (b) Max Roach (d)
WOR Studios, NYC, November 4, 1947

 

Miles Davis (tp) J. J. Johnson (tb) Charlie Parker (as) Duke Jordan (p) Tommy Potter (b) Max Roach (d)
WOR Studios, NYC, December 17, 1947**

 

1- Crazeology**
2- Air Conditioned (Drifting On A Reed) (Prezology)**
3- My Old Flame (Blue Lamp)
4- Bird Feathers
5- Klact-Oveeseds-Tene
6- Bird Feathers (Habanera Mambobop) (Bongo Beep)**
7- Out Of Nowhere
8- Bongo Beep (Diggin’ Diz)*

http://ouo.io/7cd15

 

HotBeatJazz 10′ Series – Bill Holman – Kenton Presents Jazz 10’LP H6500 (1954)

O saxofonista, compositor e arranjador Bill Holman é um dos mais conceituados e celebrados expoentes do west-coast jazz. Nascido em 21 de maio de 1927, Holman foi contratado como saxofonista por Stan Kenton em 1951, e rápidamente seus talentos de compositor e arranjador foram percebidos pelo maestro. Sua habilidade e capacidade de produzir arranjos recheados de dissonâncias e contrapontos o conduziram ao cargo de principal arranjador da orquestra durante a década de 50. Seu trabalho neste campo atinge o ápice no álbum Contemporary Concepts. Continuou a escrever para a orquestra durante os anos 60 e 70, embora também cuidasse de seu próprio combo. Holman também contribuiu para os books das orquestras de Woody Herman, Doc Severinsen, Buddy Rich, Terry Gibbs, Count Basie, e a Gerry Mulligan’s Concert Jazz Band.

 

Seu primeiro álbum como líder foi produzido dentro da série Kenton Presents Jazz, da gravadora Capitol em 1954. Dois octetos interpretaram as composições e arranjos de Hollman, que também atuou como saxofonista tenor, em três sessões de gravação, acontecidas entre 4 de maio e 2 de agôsto daquele ano. Um música leve, alegre, com arranjos muito bem concebidos, dava a exatada dimensão da sonoridade do jazz produzido na Califórnia dos anos 50. Se o som da west-coast perdia em groove e pulso para o jazz feito na costa leste, sem nenhuma dúvida enriquecia-se com os arranjos sofisticados e complexos idealizados por seus muitos arranjadores, como: Bill, Shorty Rogers, Jack Montrose, André Previn, e um grande número de outros excelentes arranjadores fixados na Califórnia, muito em virtude do imenso campo de trabalho que os estúdios de cinema e televisão proporcionavam.

 

Bill Holman, montou sua própria orquestra em 1975 e escreveu para os mais diversos gêneros musicais durante toda sua longeva carreira. Está hoje com 83 anos de idade e ainda atuante.

 

Bill Holman (ts), Bob Gordon (bs), Herb Geller (as); Don Fagerquist (tp); Stu Williamson, Bob Enevoldsen (tb); Curtis Counce (b); Stan Levey (d).
Recorded May 4, 1954, Hollywood, CA
Recorded May 12, 1954, Hollywood, CA*

 

Bill Holman (ts), Bob Gordon (bs), Herb Geller (as), Stu Williamson, Nick Travis (tp); Stu Williamson, Bob Enevoldsen (tb); Max Bennett (b); Stan Levey (d).
Recorded August 2, 1954, Hollywood, CA**

 

1- On The Town*
2- Locomotion**
3- Jughaid**
4- Back To Minors*
5- Sparkle
6- Tanglefoot
7- Song Without Words
8- Awfully Busy

http://ouo.io/8kaAit

 

HotBeatJazz 10′ Series – Lee Konitz – Stan Getz – The New Sounds 10’LP PRLP 108 (1949-50)

Uma prática corriqueira no início dos anos 50 com a adoção do formato 10 polegadas foi a edição de compilações de gravações realizadas ainda no período dos 78 rotações. Lee Konitz and Stan Getz, da gravadora Prestige, foi uma dessas compilações. Trazendo no lado A quatro temas interpretados pelo quinteto do saxofonista alto Lee Konitz e no lado B quatro outras com o quarteto do saxofonista tenor Stan Getz.

 

Lee Konitz foi um dos mais importantes saxofonistas do final dos anos 40 e início dos 50. Egresso do núcleo de músicos que transitavam em torno do pianista Lennie Tristano, Konitz foi um dos mais atuantes colaboradores do cool-jazz, tendo sido integrante fixo do quinteto de Tristano, membro do noneto de Miles Davis e também como líder de seu próprio combo. Nestas faixas gravadas em abril de 1950, Konitz se apresentava ao lado do pianista Sal Mosca; do guitarrista Billy Bauer, do contrabaixista Arnold Fishkin, ambos também integrantes do quinteto de Tristano, e do baterista Jeff Morton. A música produzida é um dos mais perfeitos exemplos da forma cool de se fazer jazz, um contraponto ao dominante bebop. Konitz realiza uma música quase etérea, sem formas melódicas muito delineadas, onde apenas em algumas partes o ouvinte se depara claramente com a melodia do tema. Enquanto o bebop rompeu com a forma tradicional de acentuação do beat, o cool voltava a trazer uma marcação mais homogênea, porém, com a bateria limitada a produzir uma espécie de textura rítmica. O timbre de Konitz soa frágil, delicado, e a guitarra de Billy Bauer conduz a harmonia com uma perfeita escolha de acordes, sempre muito alterados e dissonantes. O repertório seleionado trazia três originais de Konitz e o standard You Go To My Head, onde somente no primeiro chorus o ouvinte reconhece a melodia do tema. Essas quatro faixas são exemplos maiúsculos de como os instrumentistas egressos da escola de Tristano faziam uma música que beirava o experimentalismo.

 

No lado B, o quarteto de Stan Getz em duas sessões realizadas em junho de 1949 e abril de 1950. Ao lado do mais cool dos saxofonistas tenores da época, o inseparável pianista Al Haig, o contrabaixista Gene Ramey e o baterista Stan Levey, nas faixas de 49; e o pianista Tony Aless, o contrabaixista Percy Heath e o baterista Don Lamond, nas faixas de 50. A música produzida, apesar de nítidamente cool, ainda mantinha uma ligação mais robusta com o swing e o bebop. Sendo Levey um baterista típico do bebop, sua condução fornece uma pulsação mais definida, porém, respeitando os canones do cool-jazz, o mesmo se pode dizer do desempenho de Lamond.

 

New Sounds traz dois dos mais importantes músicos do cool-jazz em gravações definitivas para quem deseja entender o gênero.
Lee Konitz (as) Sal Mosca (p) Billy Bauer (g) Arnold Fishkin (b) Jeff Morton (d)
NYC, April 7, 1950

 

*Stan Getz (ts) Al Haig (p) Gene Ramey (b) Stan Levey (d)
NYC, June 21, 1949

 

**Stan Getz (ts) Tony Aless (p) Percy Heath (b) Don Lamond (d)
NYC, April 14, 1950

 

1- Lee Konitz Quintet – Rebecca
2- Lee Konitz Quintet – You Go To My Head
3- Lee Konitz Quintet – Ice Cream Konitz
4- Lee Konitz Quintet – Palo Alto
5- Stan Getz Quartet – You Stepped Out of a Dream**
6- Stan Getz Quartet – Wrap Your Troubles in Dreams**
7- Stan Getz Quartet – Indian Summer*
8- Stan Getz Quartet – Crazy Chords*
 

Conte Candoli & Lee Morgan – Double Or Nothin’ (1957)

“Double or Nothin'” foi gravado em 1957 e lançado pela gravadora Liverty, pequeno selo da Califórnia. Originalmente creditado como “Howard Rumsey/Charlie Persip – Double Or Nothin’ (Liverty LRP 3045)”, teve nos anos 60 um relançamento em LP já em nome da dupla de trompetistas.
A cena da gravação: Músicos da costa leste que estavam em Hollywood acompanhando Dizzy Gillespie em apresentações e gravações pela Califórnia em Fevereiro de 1957, tocam nos fins de semana livres no famoso clube Lighthouse em Hermosa Beach, reduto dos músicos mais descolados da West Coast. O proprietário do Lighthouse era o contrabaixista Howard Rumsey, músico atuante no cenário local à época. Estão disponíveis para a sessão alguns músicos do hepteto que acompanha Dizzy Gillespie: o pupilo deste na ocasião, Lee Morgan, atuando em um trompete modelo Gillespie, com a famosa campana voltada pra o alto. O saxofonista Benny Golson, o pianista Wynton Kelly e o baterista Charlie Persip completam os Yankes. Os músicos locais de grande expressão, todos muito influenciados pelo som de NYC desde o bebop na metade dos anos 40, agora tinham sua atenção no hardbop que começava a ecoar da Big Apple. Alguns habituais das gravações no Lighthouse lá estavam: o especialíssimo trombonista Frank Rosolino, o saxofonista Bob Cooper, o pianista Dick Shrieve, o contrabaixista Red Mitchell e o baterista radicado na West Coast, Stan Levey. Estes gravaram ao lado de Candoli e Morgan no dia 14 de Fevereiro, temas: “Moto”, de Bob Cooper; “Stablemates”, de Benny Golson e “Quicksilver”, de Horace Silver. Os temas restantes foram gravados duas semanas depois com Wynton Kelly ao piano, Charlie Persip na bateria e o contrabaixista Wilfred Middlebrooks em dois temas. O repertório é todo de clássicos do hardbop, bebop e west-cost jazz. Benny Golson assina quatro maravilhas, Dizzy é lembrado em “The Champ”, o clássico hardbop “Quicksilver” de Horace Silver, “Wildwood” de Gigi Gryce, “Moto” de Bob Cooper e, ainda vale destacar, a bela balada “Celedia” de Golson.
“Double or Nothin'” é uma perfeita mistura de músicos de primeira qualidade, de concepções estéticas diversas, porém complementares, da sonoridade do leste e do oeste americano durante a efervescente cena musical da segunda metade dos criativos anos 50.
Lee Morgan (tp) Conte Candoli (tp) Frank Rosolino (tb) Benny Golson (ts) Bob Cooper (ts) Dick Shreve (p) Red Mitchell (b) Stan Levey (d)
“Lighthouse Club”, Hermosa Beach, CA, February 14, 1957
Lee Morgan (tp) Conte Candoli (tp) Frank Rosolino (tb) Benny Golson (ts) Bob Cooper (ts) Wynton Kelly (p) Wilfred Middlebrooks (b -1,7) Red Mitchell (b) Charlie Persip (d)
“Lighthouse Club”, Hermosa Beach, CA, February 27, 1957
1. Reggie of Chester (B. Golson)
2. Stablemates (B. Golson)
3. Celedia (B. Golson)
4. The Moto (Bob Cooper)
5. Champ (D. Gillespie)
6. Blues After Dark (B.Golson)
7. Wildwood (G. Gryce)
8. Quicksilver (H. Silver)
9. Bye Bye Blues (Lown)

http://ouo.io/5MZGtT