RSS

Arquivo da categoria: Zoot Sims

HotBeatJazz 10′ Series – Clifford Brown Ensemble – Featuring Zoot Sims PJLP-19 (1954)

A curta carreira fonográfica de Clifford Brown teve momentos únicos e inusitados quando de sua estada na Califórnia em 1954. Brownnie já havia gravado em variados formatos: quarteto, em sua tournê pela França, como integrante da orquestra de Lionel Hampton em 53, ocasião em que também gravou com uma orquestra de tamanho médio os arranjos de seu colega de naipe Quincy Jones; sexteto com Gigi Gryce e como integrante do grupo do trombonista J.J. Johnson na famosa sessão para a Blue Note; quinteto com Lou Donaldson, em junho do mesmo ano, quando fez sua estréia como líder em uma sessão de gravação. Mas em 1954, enquanto estava na costa oeste com o famoso quinteto co-liderado por ele e Max Roach, Clifford teve o privilégio de gravar composições suas e alguns standards com os arranjos de Jack Montrose em um hepteto. Ele dividiu a linha de frente com o saxofonista Zoot Sims ao tenor e uma seção rítmica que causava sensação: o pianista Russ Freeman, os contrabaixistas Joe Mondragon e Carson Smith, e o baterista Shelly Manne. Completando o grupo estavam o jovem baritonista Bob Gordon e o trombonista Stu Williamson.

 

Clifford Brown Ensemble traz o trompetista em um conceito ímpar em toda sua discografia, os arranjos elaborados e sutis de Montrose vestem a execução brilhante e portentosa de Brownnie de uma delicadeza não habitual em seus outros registros, com exceção, talvez, a seu álbum acompanhado por naipe de cordas. É interessante apreciar uma outra concepção para temas que nos habituamos a ouvir com o seu quinteto com Max Roach, de orientação nítidamente hardbop, como os temas originais de Clifford: Daahoud e Joy Spring. Tiny Capers e Bones For Jones foram as outras composições de Clifford executadas pelo ensemble. Finders Keepers era um clássico das jams sessions da west-coast, um tema sempre lembrado pelos músicos da Califórnia em estúdios e em apresentações ao vivo. Gone With The Wind e Blueberry Hill são os standards apresentados com os especiais arranjos de Montrose.

 

Há que se destacar a habitual qualidade da performance do tenorista Zoot Sims, um músico de características excepcionais, tanto na sonoridade como no discurso, sempre produzido em frases longas e de extrema beleza melódica. o sax barítono de Bob Gordon tem um lugar de destaque nos ensembles, sendo o responsável principal pelos contrapontos, tão costumeiros nos arranjos de Montrose e no west-coast sound em geral.

 

Clifford Brown Ensemble é um ítem único na discografia deste trompetista que foi, talvez, o mais influente no jazz moderno ao lado de Dizzy Gillespie. Clifford Brown morreria dois anos depois em um dramático acidente automobilístico que também vitimaria o pianista de seu quinteto, Richie Powell. Clifford tinha apenas 26 na fatídica data e deixou um legado que influencia músicos até hoje.

 

Clifford Brown (tp) Stu Williamson (vtb, tp) Zoot Sims (ts) Bob Gordon (bars) Russ Freeman (p) Joe Mondragon (b) Shelly Manne (d) Jack Montrose (arr)
Capitol Studios, Melrose Avenue, Los Angeles, CA, July 12, 1954

 

*Clifford Brown (tp) Stu Williamson (vtb, tp) Zoot Sims (ts) Bob Gordon (bars) Russ Freeman (p) Carson Smith (b) Shelly Manne (d) Jack Montrose (arr)
Capitol Studios, Melrose Avenue, Los Angeles, CA, August 13, 1954

 

1- Daahoud
2- Finders Keepers
3- Joy Spring
4- Gone With the Wind*
5- Bones for Jones*
6- Blueberry Hill*
7- Tiny Capers*
 

HotBeatJazz 10′ Series – Zoot Sims – Swingin’ with Zoot Sims PRLP 117 (1951)

John Haley “Zoot” Sims nasceu em Inglewood, Califórnia, em 29 de outubro de 1929, em uma família de artistas do teatro vaudeville. Ainda criança aprendeu a tocar bateria e clarinete com o apoio dos pais. Na adolescência seria profundamente influenciado por Lester Young, do qual extraiu a forma de tocar o saxofone de uma maneira mais relaxada e lírica, o timbre macio e aveludado, e o discurso musical caracterizado por longas e interligadas frases. Durante a década de 40 a influência do bebop e, principalmente, de Charlie Parker vieram a se incorporar em sua música. Seria longo e enfadonho enumerar todos os artistas com os quais tocou ao longo de sua carreira, foi um dos mais atuantes saxofonistas do jazz, com uma extensa e brilhante discografia. Despertou a atenção dos críticos e ouvintes quando se incorporou a orquestra de Woody Herman, vindo a integrar o mais famoso naipe de saxofones da história do jazz, os “Four Brothers”, ao lado de Stan Getz, Herbbie Stewart e Serge Chaloff.

 

Nos anos 50, Sims teve uma profícua associação com o saxofonista Al Cohn em um quinteto co-liderado por ambos. Gerry Mulligan também foi um parceiro habitual, tendo Zoot atuado em várias formações encabeçadas pelo baritonista. Zoot foi um típico integrante da geração beat e sua apreciação pelas bebidas, drogas e vida boêmia, um fardo que carregou por boa parte de sua vida e lhe deixaria com uma saúde precária que lhe extinguiria a vida aos 59 anos de idade, em 23 de março de 1985.

 

Em 14 de agôsto de 1951, Zoot entrava em estúdio para gravar para a Prestige, em um sessão que entraria para a história do jazz como a primeira em que um músico improvisaria longamente despreocupado com o tempo de duração da faixa, fato possível com o surgimento do formato LP, fruto do desenvolvimento da tecnologia do microsulco pela RCA. Zoot liderava um quarteto formado por Harry Biss ao piano, Clyde Lombardi ao contrabaixo e Art Blakey na bateria.

 

Após Zoot gravar dois temas, um deles lançado no LP, East of the Sun, ele foi instado a gravar uma livre improvisação sobre um blues que estava tocando como forma de relaxar. Os doze primeiros compassos foram cronometrados, então, o engenheiro de áudio lhe informou de que teria espaço para improvisar por 12 choruses. O resultado seria “Zoot Swings The Blues”, um blues de 12 compassos em tonalidade maior excecutado com um andamento rápido e impregnado de swing por Blakey e Sims. Em East of the Sun, Zoot esbanja sua categoria em um longo improviso repleto de beleza melódica e com a sonoridade que fez de Zoot Sims um dos mais belos sons de sax tenor do jazz. Foram testemunhas deste momento histórico Gerry Mulligan, o pianista George Wallington e o contrabaixista Red Mitchell, que estavam, naquele 14 de agôsto, no estúdio Apex em Nova Iorque, juntamente com mais alguns convidados, entre eles o crítico e escritor especializado em jazz Ira Gitler, responsável pelas notas de contracapa, onde conta a história do jazz sendo feita a olhos vistos.

 

PS: como bônus, a versão curta de Swingin’ The Blues, gravada para ser lançada em 78 r.p.m.

 

 

Zoot Sims (ts) Harry Biss (p) Clyde Lombardi (b) Art Blakey (d)
NYC, August 14, 1951

 

1- East Of The Sun (West Of The Moon)
2- Zoot Swings The Blues
3- Swingin’ The Blues

http://ouo.io/baRrN5

 

The Prestige All Stars – Tenor Conclave (1956)

Convidamos o leitor a continuar a conhecer as sessões organizadas pelo “boss” da Prestige, Bob Weinstock, no final de 1956. Uma batalha de tenores aconteceu em setembro daquele ano nos estúdios de Rudy Van Gelder. Hank Mobley, John Coltrane, Zoot Sims e Al Cohn protagonizaram um clássico na discografia do jazz, “Tenor Conclave”. Mobley escreveu dois originais especialmente para a ocasião: a faixa título e “Bob’s Boys”. “Just You, Just Me” e “How Deep Is The Ocean” completam os títulos da sessão. O ouvinte tem o prazer de acompanhar a música genial desses quatro músicos tendo toda as informações da estrutura dos temas como: ordem nas intros, nas bridges, nos solos, duração dos mesmos em compassos ou chorus; tudo isto muito bem escrito por Ira Gitler, um dos maiores autores e estudiosos do jazz, nas notas de contracapa. Red Garland, Paul Chambers e Art Taylor completam o combo. Sendo o leitor um religioso ou não, não deverá perder um só segundo desse conclave.
Al Cohn, John Coltrane, Hank Mobley, Zoot Sims (ts) Red Garland (p) Paul Chambers (b) Art Taylor (d)
Rudy Van Gelder Studio, Hackensack, NJ, September 7, 1956
1- Tenor Conclave
2- Just You, Just Me
3- Bob’s Boys
4- How Deep Is The Ocean?